segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Terrorismo nas bancadas

Vitória Sport Clube vs Sport Lisboa Benfica, um jogo com um significado que transcende aquilo que ocorre dentro das quatro linhas. Um jogo onde se recorda Miklós Fehér!
Motivados pela ideia de homenagear e recordar este jovem jogador do clube da Luz, que perdeu a vida em 2004, e assistir a um grande jogo de futebol, cerca de 27 mil adeptos deslocaram-se ao estádio D. Afonso Henriques.
Contudo, nas bancadas, para os adeptos que se sentaram junto às claques “desorganizadas”, essa ambição acabou por não se concretizar!...
Quer de um lado quer do outro, estas claques, em vez de se preocuparem em apoiar a respectiva equipa, passaram todo o encontro a insultarem-se mutuamente e a gerar conflitos que obrigaram mesmo à intervenção da polícia. Uma vergonha para o futebol e para os adeptos em geral!
É realmente degradante que a prioridade destes pseudo-adeptos seja arranjar confusão e vandalizar o estádio, em vez de apoiar e contribuir para que sua equipa tenha condições para alcançar o melhor resultado possível!
Perante comportamentos destes, como se pode esperar que certos estádios encham? Como se pode esperar que quem está em campo sinta o peso do símbolo que traz ao peito? É realmente triste estar em campo a dar tudo por tudo por um bom resultado, e sentir que em certos locais da bancada nada disso é apreciado. Parece que o mais importante é fomentar as picardias com os apoiantes adversários em vez de aplaudir o que está a ser conseguido em campo!
Enfim, é uma pena que em Portugal falte civismo e consciência àqueles que se dizem parte de uma claque! Não permitem que quem paga bilhete desfrute do espectáculo que é um jogo de futebol, e ainda colocam em risco a segurança daqueles que se encontram no estádio (quer a assistir ao encontro, quer a trabalhar). Está na hora de sérias medidas serem tomadas em relação a esta situação. Têm de ser criadas medidas que permitam a restrição do acesso ao estádio àqueles que não sabem viver em sociedade, independentemente de ser uma claque oficial ou não! Basta alguém dar o primeiro passo, a partir daí de certeza que um jogo de futebol deixará de ser conotado com as noções de vandalismo e inconsciência!
Talvez o Jogo devesse ter ficado pela primeira parte, pois alguns adeptos conseguiram que adeptos do SEU clube se vissem privados de assistir condignamente à actuação dos jogadores que estavam a apoiar. Privados não por terem sido impedidos pelas forças de segurança que demonstraram um profissionalismo digno de ELOGIO e DIGNIDADE, mas PELO MEDO de se verem envolvidos em desordens criadas pelos pseudo-claques de apoio do seu próprio clube. E refiro-me quer a apoiantes do Benfica quer a apoiantes do Guimarães.
Deste encontro ressaltou para quem foi assistir e se viu privado de ver o jogo e envergonhado pelo comportamento dos adeptos do seu clube, que os únicos que dignificaram o emblema que traziam ao peito foram as forças de segurança, porque mesmo os jogadores em determinados momentos se viram contagiados pelo Péssimo, Terceiro Mundista, Pré-histórico e até TERRORISTA comportamento de alguns energúmenos que foram SUPOSTAMENTE para ver o jogo. No nosso país o TERRORISMO é nos estádios. Para quem paga bilhete cuja receita reverte para o clube do seu coração, para ver o SEU CLUBE JOGAR vê-se envolvido em cenas de TERROR DO TERCEIRO MUNDO. Adeptos há que por isso se sentirão envergonhados de ser sócios de qualquer clube. Os TERRORISTAS em Portugal chamam-se CLAQUES, organizadas ou não.

25 comentários:

qué dizer disse...

Ó 'Alex', isto é tudo verdade e de lamentar a todos os níveis, mas para a próxima deves ter mais cuidado com a imagem escolhida, pois apesar de não serem nenhuns 'santos', as claques do sporting não participaram no triste espectáculo a que se assistiu na cidade que viu nascer Portugal.
Bem sei que é só a título ilustrativo de um dos flagelos que afecta o 'desporto-rei', mas mesmo assim não convém haver misturas...

Velho Estilo disse...

A palavra "vergonha" também se pode aplicar ao (péssimo) jornalismo que se faz na REVISTA FUTEBOLISTA, seja em termos de notícias da bola dentro de campo ou fora dele...

Dizer que as claques e os seus membros são todos terroristas é igual ao dizer que todos os jornalistas são bons. Tal verdade absoluta é (como todas) uma mentira. Assim ao estilo das especulações de reforços da FUTEBOLISTA... Estão a perceber?

Obrigado

Anónimo disse...

Podem dizer-me porque razão é que nesta notícia colocaram uma fotografia da claque sportinguista, tirada no estádio de Alvalade?!?!
O que é que uma coisa tem a ver com a outra? Querem difamar quem?
Vergonha é o jornalismo que se faz ver nesta notícia.
Aprendam VOCÊS ou os vossos jornalistas ou sei lá o que são a ter civismo e consciência!!

O que se torna vergonhoso é que num jogo que ocorreu entre o Sport Lisboa e Benfica e o Vítória de Guimarães, vocês coloquem uma notícia a difamar as claques com uma fotografia totalmente relacionada com o Sporting, pena é que os dirigentes do Sporting ainda não tenham tido conhecimento deste péssimo comportamento dos colaboradores de uma revista que eu até TINHA em como sendo uma das melhores...enfim tenham alguma dignidade no vosso jornalismo!!

Anónimo disse...

Podem dizer-me porque razão é que nesta notícia colocaram uma fotografia da claque sportinguista, tirada no estádio de Alvalade?!?!
O que é que uma coisa tem a ver com a outra? Querem difamar quem?
Vergonha é o jornalismo que se faz ver nesta notícia.
Aprendam VOCÊS ou os vossos jornalistas ou sei lá o que são a ter civismo e consciência!!

O que se torna vergonhoso é que num jogo que ocorreu entre o Sport Lisboa e Benfica e o Vítória de Guimarães, vocês coloquem uma notícia a difamar as claques com uma fotografia totalmente relacionada com o Sporting, pena é que os dirigentes do Sporting ainda não tenham tido conhecimento deste péssimo comportamento dos colaboradores de uma revista que eu até TINHA em como sendo uma das melhores...enfim tenham alguma dignidade no vosso jornalismo!!

Alexandra disse...

Caros leitores a imagem que seleccionei para ilustrar este artigo nada tem a ver com uma tentativa de difamação do Sporting. Seleccionei-a pois penso que ilustra a desordem provocada pelas claques em certas situações, e a palavra "vergonha" que lhe surge associada representa precisamente aquilo que devemos sentir quando presenciamos cenários como o de Domingo. Da pesquisa de imagens que efectuei esta foi aquela que considerei melhor reforçar as ideias do artigo, que embora seja introduzido por um caso particular refere-se às claques em geral!Como escritora que sou, e não jornalista (pois não tenho qualquer formação na área), também cometo falhas e sei reconhecer os meus erros. De futuro procurarei seleccionar imagens menos ambiguas para que ninguém se ofenda e todos compreendam sem equivocos a mensagem daquilo que escrevo! Os meus comentários são comentários de alguém que ama o futebol e não um clube! Não uso este blog para fazer notar as minhas opiniões clubisticas, mas antes procuro ser o mais imparcial possivel! Procuro representar o futebol e não clubes!
Saudações futebolisticas,
Alexandra

Nuno Oliveira disse...

Pessimo jornalismo é a unica conclusão que tenho , ainda para mais quando encaro com um texto altamente tendencioso.
A parte onde afirma que as "claques" presentes passaram a maior parte do tempo no insulto, é um exemplo claro do seu mau jornalismo( e infelizmente não é só seu,nem só sobre claques, pois apenas 10% do que se diz nos jornais desportivos correspondem à verdade, na matéria das transferencias).
A si reconmedo-lhe que veja o repetição do jogo por TV, e concerteza irá perceber melhor a diferença entre bom e mau jornalismo.
Eu não vi o jogo por TV, já que estive no estádio, mas posso afirmar que voçes vai constatar que afinal, a diferença entre aqueles que pagam 30 euros para acompanhar a sua equipa, e os jornalistas que recebem para dizerem bacuradas, é muita distinta, com clara superioriade para aqueles que pagam 30 euros e fazem 500 km.

Obrigado

João Morais disse...

Uma vergonha são estes ataques a um texto que se percebe de Opinião. As claques em Portugal são uma vergonha e um flagelo que devia ser erradicado. Em Inglaterra não existem claques e não é por isso que o ambiente é dos melhores que se assiste no mundo. Não são terroristas?! Pessoas que morrem por causa de very lights atirado por elementos de claques, autocarros incendiados, jogadores agredidos, viaturas destruídas, petardos lançados dentro do estádio... São criminosos sim senhor e pior ainda é haver pessoas como o senhor do 'Velho Estilo' vir criticar o artigo (bem escrito por sinal) quando no seu blogue escreve estas pérolas a propósito do Guimarães -Benfica. Ora atentem:
- «Em relação aos adeptos que podemos dizer? Guimarães é pródigo em “encontros” e “desencontros” antes e depois do jogo nas ruas vizinhas ao Estádio. Mais uma vez estas situações voltaram a acontecer. O que seria de uma “transferta” a Guimarães sem estes “fait-divers”?»
- «Cortejo até às viaturas e pouco mais. As habituais pedras e garrafas nas ruas a procurar atingir os carros. O costume em Guimarães…»

Assim se percebe porque critica este artigo. Porque para si isto é tudo «perfeitamente normal», como dizia o outro. Olhe pois para mim não é. é por causa de pessoas como você que os estádios estão cada vez mais vazios e enquanto não puserem mão nisso, comigo no estádio não contam. Vejo pela televisão pois aí não me arrisco a levar com uma cadeira (até no Aimar os tipos das claques do Benfica iam acertando com uma). Já que é para pagar 30 euros, ao menos que seja por algo de útil. Que é o conselho que deviam seguir. Se não contribuem com nada de positivo, fiquem em casa. Não fazem falta nenhuma.

Peço desculpa pela extensão do texto, mas estas coisas revoltam-me.

Um abraço de solidariedade à equipa da revista e em particular à Alexandra. Não te deixes amedrontar por estas pretensas intimidações de pseudo-adeptos...

Saudações desportivas
JM

Alexandra disse...

Em primeiro lugar não sou jornalista (como aliás já havia referido no meu comentário anterior). Paguei 22,5 € na casa do benfica, fiquei na bancada NB junto à vedação que separava a claque não oficial do Benfica (onde me encontrava) da claque não oficial do vitória.
Agora para quem supostamente esteve no estádio só tenho a dizer o seguinte: Tive de fugir duas vezes devido ao mau comportamento das referidas claques, assiti à segunda parte de pé, para não ser agredida por esqueiros e outros objectos atirados por ambos os lados, não bastando tive de perder último quarto de hora, para não ficar presa no estádio até cerca da meia-noite, hora a que foi libertada a bancada de apoio ao Benfica.
Se para si jornalismo de primeira se resume a ver imagens na tv e encobrir os actos de terrorismo, das claques, não se pode chamar outra coisa ao medo que se sente nestas situações onde se viu envolvida pelo menos uma criança de 5 anos, então tenho orgulho de mais uma vez dizer que não sou jornalista, muito menos de primeira.
Espero que o senhor seja jornalista e conheça bem a profissão porque caso contrário está a fazer afirmações sem conhecimento de causa, ou seja está-se a comportar como um mau jornalista.

Velho Estilo disse...

Caro João Morais:

Se o Sr tem dificuldade em perceber ironia isso é um problema seu. Porventura conseguirá corrigir essa situação com o programa Novas Oportunidades.

Se calhar, o "Velho Estilo" já contribuiu muito mais que o sr. para erradicar esses "terroristas" como lhe chama. Nem que seja pelo simples facto de se virar para o lado e dizer "não faças isso. é uma estupidez". Percebe? Sempre é mais positivo que estar em casa enfiado no sofá ou em blogs a espalhar verborreia...

Em relação a Inglaterra poderia passar o dia todo a passar-lhe informação acerca de actos de violência praticados por adeptos. Não há claques em inglaterra? Como as conhece em Portugal certamente não há. São diferentes. Mais "organizados". Mais metódicos. Se pesquisar na net pode encontrar alguns documentários acerca do que lhe estou a dizer.

Depois acho piada ao facto de confundir bom jornalismo com boa escrita, isto é, qualquer bom "falante" ou escriba pode dizer a maior barbaridade do mundo, mas se estiver escrito em "bom português" passa a ter um valor jornalístico incalculável...

Finalmente, acho atroz e de mau gosto o epíteto "terrorista" para os elementos das claques. Não os defendo a todos, nem tenho vontade de o fazer, pois bem sei os excessos e as "anormalidades" que se comentem, agora comparar uma realidade como o terrorismo com as claques é de obtuso... Ou de quem nunca conviveu com ambas as realidades de perto... Entendeu?

De qualquer maneira agradeço-lhe o facto de ter passado no Blog. Poderia também ter comentado que na caixa de comentários falam entre sim adeptos vitorianos e benfiquistas sem problemas... Mas isso não lhe interessava provavelmente.

Em relação a ti Alexandra, lamento que tenhas passado por essas situações. Mas acredita que para quem frequenta as "claques" há coisas muito mais positivas que esse (triste) espectáculo... É experimentares um dia destes...

Anónimo disse...

Esta senhora Alexandra não deve ter visto as claques a apoiar e a cantar pelo nosso SPORT LISBOA E BENFICA, só pode!

Anónimo disse...

As claques são as culpadas pelas fracas assistências nos estádios.

Claro! Por isso é que o Guimarães - Benfica, onde sempre há problemas e era considerado um jogo de alto risco, teve casa quase cheia.

Por isso é que os jogos em que costuma haver, de facto, problemas entre claques (porque é verdade que o problema existe), são os clássicos e os dérbies que são os jogos que enchem mais os estádios.

A lógica é insuperável!

São pelos vistos as claques as culpadas pelas 2000 pessoas num Rio Ave - Porto. Para nem falar nos terríveis Frente Leiria, que afastam as pessoas do seu megalómano elefante branco de um estádio.

Sr. Morais. Se és tão preguiçoso que não tens pachorra para levantar o cu do sofá para ir ver a tua equipa a jogar ao vivo, e apoiar, fica na tua, mas não culpes as claques.

Anónimo disse...

Esta senhora Alexandra exagera sairam à 00:00? É para me rir n? Eu fui ver como tantos benfiquistas e saimos de lá 22:45, vai uma grande diferença para a 00:00. É verdade que tivemos muito tempo à espera, mas foi bem melhor do que sair mais cedo e levar porrada dos vitorianos...

joão morais disse...

Meus caros,
Aquilo que tenho visto escreverem até aqui em nada contribuiu até ao momento para rebater o que eu penso do fenómeno claques. Conseguiram desmentir algum dos factos que eu referi perpetrados pelas claques? Esfaqueamentos, very lights, viaturas incendiadas, arremeso de peddras, garrafas, assaltos a estações de serviço, agressões, mortes... NÃO! Sabem porquê? Porque não podem, uma vez que é uma realidade indesmentível. Se dizem que em nada contribuem para as pessoas não irem aos estádios, é pura e simplesmente porque não ouvem testemunhos de tantas outras pessoas como eu, com filhos menores. Não é seguro ir ao estádio, é horrível a forma como ao invés de gritarem pelo clube se perdem em insultos com palavrões, e vou tentar não expor os meus filhos a essa violência gratuita. Como falam, até parece que não se passou nada. As cadeiras voaram porque estava muito vento em Guimarães, querem ver?!
Acham que isso é contribuir para o espetáculo? em que medida? Ou então, pura e simplesmente temos é conceitos de espetáculo muito diferentes... Se dizem que nada fazem para afastar as pessoas dos estádios, uma coisa garanto. Em nada, mas mesmo em nada contribuem para chamar público...
Como é óbvio, não digo que todos os elementos das claques contribuam para isso, porque não se deve meter toda a gente no mesmo saco, mas como se costuma dizer, paga o justo pelo pecador. Se não concordam com o que as claques fazem, então devem abandonar as mesmas. Se são as claques que não toleram as agressões, os insultos, os roubos, etc, então esses elementos devem ser expulsos. Qual é a dificuldade em perceber isto? Se não fazem nada para o alterar, só posso concluir que estão de conluio com as atitudes praticadas pelos elementos das ditas claques e se assim é, então temos de por toda a gente no mesmo saco. Não gostam? Então façam algo para o alterar.
Pensem nisto: Porque será que as claques são os únicos sítios que têm de ter sempre cordões de polícia a delimitar a sua zona de acção?

Saudações
JM

PS - Caro 'Velho Estilo' não sei se reparou mas eu referi que o texto estava bem escrito e não referi que era um bom conteúdo jornalistíco, não porque seja algo que me confunda, mas simplesmente porque sei ler e é a própria Alexandra que refere no texto acima que não é jornalista ;-)

dosul disse...

Caro João Morais,

A forma como escreve e exprime as suas opiniões revela facilmente um facto, que é o do senhor nunca se ter dado ao trabalho de se informar sobre um assunto que pelos vistos lhe parece ser de extrema importância. Apesar de o censurar, o senhor tem a atenuante, pois celebrados "jornalistas" da nossa praça todas as semanas nos oferecem provas cabais de que partilham o problema com o senhor.


Sendo que está a falar concretamente das "claques" do benfica em guimarães, permita-me que lhe informe que elas não são mais do que grupos organizados de sócios do Sport Lisboa e Benfica, não tendo mais direitos do qualquer outro sócio do benfica, apenas mais obrigações (há quotas a pagar, e não há descontos em qualquer tipo de bilhete) e ainda estão sujeitos a claras privações de alguns direitos básicos reconhecidos na constituição Portuguesa.



Em contraponto ao Senhor, eu não tenho filhos menores, mas tenho pais já com alguma idade (aproximar do 70 anos) e não têm problema algum em irem a um jogo de futebol. Mas da mesma forma que o senhor tem cuidado em entrar num dito "bairro problemático", também eu tenho cuidado em não colocar os meus pais a ver o futebol no sector das "claques", pois apesar de se evitar acidentes, eles acontecem.


Tal como os "bairros problemáticos" também as claques têm todo o tipo de pessoas e não é por isso que com certeza o senhor acha que a melhor forma de resolver o problema dos bairros sociais é expulsar as pessoas de lá.


num tom mais leve, sempre que vejo um jogo na bancada central, oiço mais palavrões do que em qualquer jogo que veja numa claque.

Quanto a não expôr o seu filho a violência gratuita, acho que faz muito bem, mas para isso também necessita que ele não vá à escola, não leia os jornais todos os dias (caso já tenha esse hábito), veja qualquer telejornal ou veja qualquer filme, pelo que desejo-lhe boa sorte!


Cumprimentos

Anónimo disse...

SE NOS QUEREM CHAMAR ASSIM, CHAMEM!
TERRORISTAS POR 1 AMOR! SPORT LISBOA E BENFICA! GRUPO COSME DAMIÃO 1904!

Anónimo disse...

Sr. João Morais a palavra "Ignorância" significa entre outras coisas o desconhecimento de causa,ou seja falar de um assunto sobre o qual não possuí conhecimentos,logo o Sr. é um ignorante!
Diga-me quando é que em Portugal houve um autocarro queimado por uma claque?o Sr. sabe mais do que a polícia que não deteve ninguém,se tivesse sido alguém de uma claque certamente teria sido apanhado porque todas as claques t~em um controlo bastante grande por parte dos "Spotters".o Sr. passados 12 anos ainda não conseguiu perceber que o acidente do very-light foi isso mesmo,1 ACIDENTE?!se chamamos assassínos as claques então temos de chamar tb a alguns clubes pelas condições de segurança dos estádios,lembro-me de no antigo estádio de alvalade morrerem adeptos porque um varão não aguentou com o seu peso,deveriam-se ter fechado todos os estadios em Portugal pela sua lógica.Pela mesma lógica quando caíu a ponte de entre-os-rios deveriam-se ter fechado todas as pontes de Portugal!Aposto que o Sr. não é sócio de nenhum clube,não paga cotas,e só deve ir ao estádio quando a equipa ganha,já as claques não,estão presentes em todos os jogos a APOIAR a sua equipa,e não a insultar o arbitro que é aquilo que se ouve nas bancadas centrais deste Portugal.serão as claques culpadas pelas fracas assistências dos jogos?creio que não.na grande maioria dos jogos se não fosse o apoio das claques o jogo pareceria um velório?tenho a certeza que sim!
as pessoas têm de perceber que a grande maioria dos membros das claques vive o seu clube de uma maneira muito intensa,dão tudo pelo seu clube,se for preciso vão ver jogos a 400km de casa a 1 domingo as 21h30 da noite com bilhetes a 25euros,enquanto o adepto normal fica em casa a ver o jogo.problemas entre claques sempre houve e sempre haverá,agora não queiram atribuir ás claques a culpa da vergonha que é o futebol português,pior é serem corruptos,pior foi o golo anulado ao liedson,ou o golpe do andrezinho ao suazo que não tem direito a sumarissimo,pior é o bruno alves andar por aí as cotoveladas,pior é o preço dos bilhetes,pior é deputados eleitos democraticamente não poderem entrar nos parlamentos,pior é a violência policial(que em guimarães foi muita),pior é jogadores de futebol ganharem milhares e milhares de euros enquantos milhoes de pessoas passam fome,pior é a corrupção que há neste país!
deixem as claques em paz porque eles só querem apoiar o próprio clube,nos melhores e piores momentos,já os outros adeptos não são bem assim!

Anónimo disse...

Comentário brutal o comentário acima! Disse tudo

Anónimo disse...

zuzu é rabo

joão morais disse...

Meus caros amigos, como eu disse quem pertence a esse tipos de pessoa é autenticamente TERRORISTA!!! Mas seja que tipo de claque seja são uns TERRORISTAS!!! Pricipalmente BENFIQUISTAS...


VIVA ao Leixoes

Anónimo disse...

"Pricipalmente BENFIQUISTAS..."

À bom! João Morais... já se percebe a origem da sua dor de corno.

As claques são feias e más? Homem, se servem para o manter fora dos nossos estádios, longe de mim, então para uma coisa já serviram.

Não mudei a sua opinião sobre as claques? Oh que pena! É que a sua presença faz muita falta nas bancadas. Um minuto de silêncio pelo Sr. João Morais já no próximo jogo.

joão morais disse...

Boa tarde novamente,

Antes de mais, queria ressalvar que não fui eu quem escreveu o post acima. Como não tenho conta no blogger, sujeito-me a que pessoas mal intencionadas façam isso. Podem discordar do que digo, mas ao menos assumo a minha identidade. Se não concordam com o que foi escrito, ao menos tenham a coragem de revelar quem são, não usurpando identidades.

Em relação aos restantes comentários, posso confirmar que sou sócio há mais de 20 anos de um clube, com quotas em dia. Não me parece importante referir o nome do mesmo até porque a minha crítica em relação às claques não se prende com nenhum clube em particular. É generalizada.

No mais, quanto aos incidentes que referi, como foi o caso do autocarro incendiado, o mesmo sucedeu ainda este ano, relacionado com o hóquei em patins. Um autocarro que transportava adeptos do Porto ficou totalmente destruido enquanto decorria um jogo contra o Benfica, tal como houve uma tentativa de incêndio ao autocarro do Benfica este ano em Gaia. estes são pelo menos dois exemplos de que me lembro e bem recentes.

Quanto ao senhor que compara a ida a um estádio com a entrada num bairro problemático, só posso dizer que é a todos os títulos, lamentável. Primeiro, não me aprece que quando entra num bairro problemático vá com o intuito de assistir a um espetáculo, de ficar divertido e pagar 20 ou 30 euros para isso. A não ser que se divirta com a miséria dos outros, mas nesse caso aí a situação jáé bem mais grave. Criam-se bairros problemáticos por falta de condições das pessoas que na sua maioria os habitam, não porque lhes apeteça estar lá. Na sua maioria, os seus moradores não têm mesmo outra hipótese... e se calhar até agradeciam ser 'expulsos' desses bairros.

Compreendo que existam membros da claque dêem tudo pelo clube, mas será que só o fazem porque pertencem à claque? Precisam dela para ir apoiar o clube? Se dizem que não são mais do que grupos de sócios organizados, então não deviam transmitir uma imagem tão má do clube que defendem... Porque uma coisa é certa: em nada contribuem para o seu engrandecimento. Não conheço nenhum clube louvado pelas suas claques. Pelos adeptos sim, não pelas claques...

Saudações
JM

dosul disse...

o que define por louvado? e por quem?

Louvado pela FIFA? pela uefa? pela Liga de clubes? Pelo Sr Ministro Laurentino dias? Pelos meios de comunicação social? Ou pela Revista futebolista?

Anónimo disse...

Alexandra e restantes leitores,
Ainda vocês não sabem de muita coisa pois, apenas sabem do que vos é dado a ver!
As claques são o que são porque vivem intimidando as direcções dos clubes que, por medo e necessidade de um braço armado para determinados "serviços", cedem às suas pressões.
Julgam que o preço dos bilhetes para estes indivíduos é igual aos restantes adeptos? Não, não é! Uma boa parte dos bilhetes são oferecidos pelo clube. Os clubes têm acordos entre si de troca de bilhetes. Quando o clube Y vai jogar ao estádio do clube X, recebe deste x bilhetes, que depois na segunda volta, são pagos na mesma moeda. E estes bilhetes vão para quem? Direitinhos para as mãos dos líderes das claques!
Mas, como as deslocações são caras, quem é que julgam que paga o aluguer dos autocarros? As facturas vão direitinhas para os clubes! Ah e aqui, muitas das vezes, os autocarros são a duplicar na factura, porque os líderes das claques têm de ganhar o seu, ou julgam que eles fazem fortunas como?! Sim, porque apesar de muitas das vezes eles venderem os bilhetes aos seus associados, convencendo-os que têm de os pagar ao clube, quando estes lhes foram oferecidos, nunca é demais ganhar também dinheiro com os autocarros.
E isto não é só no futebol... noutras modalidades é ainda mais descarado, porque a mediatização é menor. No futsal e hóquei, há determinados jogos em que apenas são postos à venda bilhetes para a bancada central, porque os restantes vão direitinhos para as mãos desses senhores, que os gerem a seu belo prazer.
Ao preço que os bilhetes e os combustíveis são vendidos às pessoas honestas, que têm de os pagar com o seu trabalho, quem é que consegue andar atrás da sua equipa em todos os jogos?! Há quem consiga, claro. Empresários bem sucedidos, quadros superiores de empresas e outros com ordenados deste nível. Pois, mas estes costumam estar na bancada central...
Mas, há mais, muito mais... mas, por hoje chega!

Anónimo disse...

.. o meu lugar é cativo e pago a minha própria gasolina...

José Antonio disse...

Na minha opinião as claques não passam de bandos de marginais, digo mesmo TERRORISTAS concordando com a ideia defendida pela cara Alexandra, e pelo caro João Morais.
Podemos comprovar isso em qualquer jogo da Liga Sagres! É mais que normal o arremesso de objectos, as caçadas fora do recinto desportivo, os insultos em forma de cantigo, os very lights lançados e as bombas. Temo pela minha vida num estádio de futebol, por essas razões deixei de ir ao futebol, até porque pagar 50€ para ver um jogo a um domingo à noite, com pessimo futebol praticado é bem razoavel, já a violencia e disturbios causados pelas claques é que não! Parabens às forças da autoridade que têm actuado de uma forma completamente exemplar, salvaguardando os interesses de todos os adeptos do futebol, ja esses terroristas das claques não, vão para os estádios apenas causar problemas. Quem realmente apoia o clube são os adeptos das centrais, apoiam insultando o arbitro ou o adepto da frente que está a tapar o seu campo de visão.
O futebol sempre esteve de braço dado com o pacifismo e com as elites sociais, amiguinhos fans do desporto rei vamos todos dar as mãos e lutar pela paz no futebol português!!! Tal como acontece em Inglaterra, em que os desacatos nãoe existem desde que acabaram com as claques organizadas, lá é um paraiso, isso que dizem de ter morrido um adepto do Leeds à porta do Upton Park à cerca de 1 ou 2 anos é tudo mentira!! Em Portugal é que ja morreram uma data deles.. Pronto, só me lembro de um e foi um acidente, mas devem haver mais, dado o terrorismo que se vive num sector duma claque em Portugal..